PROGRAMAÇÃO

SILVA

Brasileiro

09 de setembro de 2020

Quarta-Feira

21:00

NOTA DE TRANFERÊNCIA DE DATA

 

O Teatro RioMar Fortaleza informa que o espetáculo Silva, que aconteceria no dia 14 de Maio, será transferido. O evento acontecerá no dia 09 de Setembro, no mesmo horário. Os ingressos adquiridos seguem válidos.

 

Incentivamos o público que permaneça com os ingressos para a nova data.

 

Para mais informações, entre em contato através do e-mail faleconosco@opusentretenimento.com

 

____________

 

"Como a gente vai ser brasileiro?", pergunta Silva nos primeiros segundos de seu novo álbum de estúdio, batizado exatamente de "Brasileiro" (slap). Ao longo dos 40 minutos seguintes (que se espalham em 13 faixas inéditas), o compositor traça uma trilha de respostas possíveis para essa pergunta. Uma questão fundamental em duas dimensões: por um lado, para um país que atravessa uma encruzilhada histórica, com horizontes nebulosos; por outro, para um artista que busca reconstruir sua identidade a partir da proximidade com sonoridades de sua terra. Como a gente vai ser brasileiro?
“Quando lancei meu primeiro EP (em 2011), eu tinha uma bagagem forte de música gringa”, conta o músico. “Segui esse caminho, mas aquele universo começou a não dar conta de todos os meus interesses”, completa. Essa consciência levou Silva a buscar um caminho mais pop em "Júpiter" (2015). Mas o que preparou o terreno para que o compositor e cantor chegasse à maturidade de "Brasileiro" foi o mergulho na obra de Marisa Monte para o álbum "Silva canta Marisa" (2016) - e não só por ter impulsionado a evolução como cantor que ele mostra agora. A forma como Marisa vem lidando, desde o início de sua carreira, com a tradição da música brasileira, sem abrir mão de se afirmar em seu tempo e de dialogar com o pop/popular, inspirou o "gringo" Silva a olhar com mais atenção para o chão de onde veio ("Sou pedaço desse chão", canta ele agora em "Caju").
Seu chão, do qual brota "Brasileiro", traz os discos de João Gilberto ouvidos em casa desde criança - e toda a MPB clássica, exceção de música "do mundo" permitida em seu lar cristão evangélico. Mas traz também o axé cadenciado do início dos anos 1990, de Daniela Mercury, Banda Mel, Cheiro de Amor - familiar ao universo praieiro de seu Espírito Santo natal. E o pagode romântico de Só Pra Contrariar e Raça Negra. E Adriana Calcanhotto. E Marina Lima. E Marisa Monte. Em suma, a canção radiofônica daquele período que formou o músico desde a infância - Silva completou 30 anos em 2018.
"Brasileiro" carrega essas e outras referências com a elegância musical - de cuidado com as melodias e harmonias - que nos acostumamos a ver na obra de Silva desde seu primeiro trabalho.
Mas não é um disco dos anos 1990, ou uma mera leitura emepebística, joãogilbertiana, desse universo - a despeito da ausência total de guitarras no disco. As canções - são nove em parceria com seu irmão Lucas Silva, uma com Ronaldo Bastos, outra com Arnaldo Antunes e uma última assinada por Dé Santos sozinho, além de dois temas instrumentais compostos apenas por Silva - conduzem o ouvinte pela mão com leveza e segurança, com a marca da personalidade reconhecível de Silva, agora renovada. Soam como Silva, como rádio (o dueto com Anitta em "Fica tudo bem" apenas deixa isso mais evidente), como praia, como política amorosa (e amor político), como samba & pagode, como Bahia - enfim, como música popular brasileira.
Em meio a isso tudo, faz sentido a revelação de que nos alicerces do disco está "O povo brasileiro", de Darcy Ribeiro. A obra se tornou o livro de cabeceira não só de Silva, mas de seu irmão Lucas e de André Paste (responsável pela bela capa de "Brasileiro") - trio que, em inúmeras e longas conversas, forjou a concepção do disco. Concepção que virou som pelas mãos de um time de músicos encabeçado por Silva (piano elétrico, piano acústico, sintetizador, programações, violão, baixo, violino e percussão) e que se completa com Edu Szajnbrum (percussão), Gabriel Ruy (bateria), Hugo Coutinho (percussão e bateria), André Paste (percussão), Hugo Maciel (baixo), Bruno Santos (trompete), Joabe Reis (trombone), Rafael Rocha (trombone) e Roger Rocha (saxofone).
"Brasileiro" abre com "Nada será mais como era antes" - que ecoa o "Nada será como antes" e Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, não só no título como na afirmação de que o país atravessa um momento definidor. O axé dos anos 1990 se afirma em "A cor é rosa" , escolhida para ser o primeiro single, com versos que Lucas conta terem sido inspirados em Iansã, a "rainha do entardecer". E se reafirma na preciosa "Guerra de amor" ("Guerra do bem, eu adoro uma guerra de amor/ Mas não é guerra se eu sou invasor/ O que eu queria é você me querendo também/ Mas se não quer, peraí, tudo bem").
Depois da sedução preguiçosa (uma das marcas de "Brasileiro") do pagode romântico "Duas da tarde" , vem a mais densa "Caju" , que trata de pertencimento ("Sou nascido e moro nessa terra") e fome ("Guerra é panela sem feijão"), numa trama envolvente de percussão, piano, coro, sopros e violão. "Fica tudo bem" traz Anitta e Silva à vontade em conselhos sobre "as coisas do amor" cuja simplicidade é emoldurada por um violão igualmente direto, entremeado pela fineza sem pose de violino e sopros.
"Let me say" é canção de exílio, de quem se viu impulsionado a sair do Brasil - seu arranjo inclusive joga com essa ideia de um Brasil internacionalizado, com sugestões da atmosfera de Bebel Gilberto de "Tanto tempo", ou das harmonias de Ivan Lins e do suingue de Marcos Valle.
Ela é seguida do samba "Sapucaia" (que faz pensar em Paulinho da Viola sob o olhar de Marisa), primeira instrumental do disco - a outra é "Palmeira" , com um piano solo contemplativo e litorâneo.
Única do disco não composta por Silva só ou com parceiros, "Prova dos nove" , do estreante Dé Santos, materializa uma bossa-nova-pagode-romântico que diz a que veio desde os primeiros versos ("Quando você anunciou que estava indo embora, amor/ Foi tão difícil, tão difícil de eu compreender/ Que sob o seu olhar eu já não mais cabia/ Que não queria mais comigo envelhecer/ Então fitei o mundo como nunca antes").
"Milhões de vozes" traz a reflexão de Arnaldo Antunes (serena como a melodia de Silva) sobre o estado de agressividade contemporâneo no debate público ("Tanta ignorância ansiando se mostrar"), de muita grita e pouca escuta. "Eu não me arrebento, deixo o mar arrebentar/ Todo movimento uma hora para", conclui, sábio.
"Ela voa" pinta nos versos de Ronaldo Bastos o retrato de uma mulher livre que "tá na chuva pra se molhar/ e na vida pra se perder". A presença de Bastos faz sentido no disco não só por escrever os versos de uma canção, na visão de Silva e Lucas, "com a cara do Clube da Esquina", do qual fez parte. Além da já citada referência à sua "Nada será como antes", o disco carrega ecos (voluntários ou não) de "Juventude/ Slow motion bossa nova", clássico álbum dele e de Celso Fonseca de 2002.
Com voz, percussão e palmas como base, "Brasil, Brasil" encerra o disco com terna e ácida ironia. E, assim como a abertura, com uma pergunta: "Quem conhece o Brasil?". E, novamente, não há resposta definitiva. Mas, se Silva não decifra - e nem quer decifrar - as esfinges que propõe, a investigação o leva a seu trabalho mais rico até aqui.

 

VALORES DOS LOTES:

 

> PLATEIA BAIXA A

. LOTE 1 R$ 160,00

. LOTE 2 R$ 200,00

 

> PLATEIA BAIXA B

. LOTE 1 R$ 140,00

. LOTE 2 R$ 160,00

 

> PLATEIA ALTA

. LOTE 1 R$ 120,00

. LOTE 2 R$ 140,00

Classificação

Compartilhar

O conteúdo e opiniões expressas nos espetáculos e eventos realizados no Teatro RioMar não refletem necessariamente a posição do Teatro e dos seus Parceiros e Patrocinadores.

LOCALIZAÇÃO

MAPA DE PLATEIA

MAPA DE PLATEIA

MEIA ENTRADA - FAQ

Quem tem direito à meia-entrada?

O benefício de meia-entrada é concedido aos seguintes públicos:

- Idosos (com idade igual ou superior a 60 anos)
Conforme a Lei Federal nº 10.741/03 e o Decreto nº 8.537/15 , mediante apresentação de documento de identidade oficial com foto.

- Estudantes

Conforme a Lei Geral da Meia-Entrada (Decreto nº 8.537/15, que regulamenta a Lei 12.933/13), atualizada por Medida Cautelar Provisória concedida pelo STF em 29/12/2015, os estudantes terão direito ao benefício da meia-entrada mediante a apresentação da Carteira de Identificação Estudantil (CIE) no momento da aquisição do ingresso e na portaria ou na entrada do local de realização do evento.

A CIE deverá ser expedida por:
I - Associação Nacional de Pós-Graduandos - ANPG;
II - União Nacional dos Estudantes - UNE;
III - União Brasileira dos Estudantes Secundaristas - Ubes;
IV - entidades estaduais e municipais;
V - Diretórios Centrais dos Estudantes - DCE; e
VI - Centros e Diretórios Acadêmicos, de nível médio e superior.

Os elementos indispensáveis da CIE são:
I - nome completo e data de nascimento do estudante;
II - foto recente do estudante;
III - nome da instituição de ensino na qual o estudante esteja matriculado;
IV - grau de escolaridade; e
V - data de validade até o dia 31 de março do ano subsequente ao de sua expedição.


Obs.: Para os estudantes que solicitaram a CIE pelo site www.documentodoestudante.com.br e ainda aguardam o recebimento da carteira, será aceito o Documento Provisório, que possui validade de 30 dias. O mesmo deve ser apresentado juntamente a um documento de identidade oficial com foto.


- Crianças e Jovens de 24 meses até 15 anos
Benefício concedido pelo Teatro, mediante apresentação de documento de identidade oficial com foto.

- Pessoas com Deficiência e acompanhantes quando necessário
Conforme a Lei Geral da Meia-Entrada (Decreto nº 8.537/15, que regulamenta a Lei 12.933/13), mediante apresentação do cartão de Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social da Pessoa com Deficiência ou de documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS que ateste a aposentadoria de acordo com os critérios estabelecidos na Lei Complementar nº 142, de 8 de maio de 2013.
No momento de apresentação, esses documentos deverão estar acompanhados de documento de identidade oficial com foto.

- Jovens pertencentes a famílias de baixa renda, com idades de 15 a 29 anos
Conforme a Lei Geral da Meia-Entrada (Decreto nº 8.537/15, que regulamenta a Lei 12.933/13), mediante apresentação da Carteira de Identidade Jovem que será emitida pela Secretaria Nacional de Juventude a partir de 31 de março de 2016, acompanhada de documento de identidade oficial com foto.

- Professores da rede pública de ensino de Fortaleza
Conforme a Lei Municipal nº 9.214/07, mediante apresentação de carteira funcional emitida pelo Sindicato dos Educadores.

- Doadores regulares de sangue*
Conforme a Lei Estadual nº 13.249/02, mediante apresentação de documento oficial válido, expedido por banco de sangue.

*São considerados doadores regulares de sangue aqueles registrados nos bancos de sangue dos hospitais do Estado do Ceará.

IMPORTANTE:
- Por lei, o benefício da meia-entrada será assegurado para 40% do total de ingressos disponíveis para cada evento.

ATENÇÃO:
- Os documentos para validação de descontos deverão ser apresentados no ato da compra e no dia da sessão adquirida, na portaria do teatro. Nas compras feitas através da internet ou telefone, a apresentação do(s) documento(s) de comprovação será exigida na retirada do ingresso e também no acesso ao teatro.
- Caso os documentos necessários não sejam apresentados ou não comprovem a condição do beneficiário no momento da compra e retirada dos ingressos ou acesso ao teatro, será exigido o pagamento da diferença de valor dos mesmos.



Não encontrei ingressos disponíveis com o benefício de meia-entrada. O que pode ter acontecido?

O benefício de meia-entrada é assegurado para 40% do total de ingressos disponíveis para cada evento, conforme o Decreto nº 8.537/15. Confira a capacidade da casa:

 

RioMar Fortaleza  
Setor Lotação 40% Meia Entrada  
Plateia Alta 276 110  
Plateia Baixa B 371 148  
Plateia Baixa A 262 105  
Total 909 364  
*A cota divulgada acima pode sofrer alterações dependendo da montagem do evento/show, sem prévia notificação  


Estou matriculado em curso que ainda não iniciou e não terá início antes do evento, tenho direito à meia-entrada para estudantes?

Sim, desde que você porte uma Carteira de Identificação Estudantil (CIE) válida, você terá direito à meia-entrada para estudantes.

 

 A CIE deverá ser expedida por:

I - Associação Nacional de Pós-Graduandos - ANPG;
II - União Nacional dos Estudantes - UNE;
III - União Brasileira dos Estudantes Secundaristas - Ubes;
IV - entidades estaduais e municipais;
V - Diretórios Centrais dos Estudantes - DCE; e
VI - Centros e Diretórios Acadêmicos, de nível médio e superior.

Os elementos indispensáveis da CIE são:

I - nome completo e data de nascimento do estudante;
II - foto recente do estudante;
III - nome da instituição de ensino na qual o estudante esteja matriculado;
IV - grau de escolaridade; e
V - data de validade até o dia 31 de março do ano subsequente ao de sua expedição.



Carteiras emitidas pelas Universidades são aceitas para o benefício da meia-entrada?

Sim, desde que a Carteira de Identificação Estudantil (CIE) esteja válida e tenha os elementos indispensáveis, você terá direito à meia-entrada para estudantes.

 

 A CIE deverá ser expedida por:

I - Associação Nacional de Pós-Graduandos - ANPG;
II - União Nacional dos Estudantes - UNE;
III - União Brasileira dos Estudantes Secundaristas - Ubes;
IV - entidades estaduais e municipais;
V - Diretórios Centrais dos Estudantes - DCE; e
VI - Centros e Diretórios Acadêmicos, de nível médio e superior.

Os elementos indispensáveis da CIE são:

I - nome completo e data de nascimento do estudante;
II - foto recente do estudante;
III - nome da instituição de ensino na qual o estudante esteja matriculado;
IV - grau de escolaridade; e
V - data de validade até o dia 31 de março do ano subsequente ao de sua expedição.



Atestado/Comprovante de matrícula pode ser utilizado para a aquisição de ingressos com benefício de meia-entrada?

Não é possível. Conforme a Lei Geral da Meia-Entrada (Decreto nº 8.537/15, que regulamenta a Lei 12.933/13), apenas a Carteira de Identificação Estudantil (CIE) garante o benefício da meia-entrada para estudantes.



INGRESSOS

VALORES DOS INGRESSOS

Plateia Alta - a partir de
R$ 120,00

Plateia Baixa B - a partir de
R$ 140,00

Plateia Baixa A - a partir de
R$ 160,00

Comprar Ingresso

CANAIS DE VENDA OFICIAIS
*sujeito a taxa de conveniência

Bilheteria do Teatro RioMar Fortaleza
Rua Lauro Nogueira, 1500 Pavimento 3
Atendimento de terça a sábado, das 12h às 21h, e domingos, das 14h às 20h.

Uhuu.com
Uhuu
https://uhuu.com
falecom@uhuu.com

DESCONTOS

** Política de venda de ingressos com desconto: as compras poderão ser realizadas nos pontos de venda físicos, mediante apresentação de documentos que comprovem a condição de beneficiário. Nas compras realizadas pelo site e/ou call center, a comprovação deverá ser feita no ato da retirada do ingresso na bilheteria e no acesso às casas de espetáculo.

NEWSLETTER

Cadastre-se para receber nossa newsletter e participar de promoções.

NOME:

EMAIL:

REDES SOCIAIS

ALVARÁ

ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO Nº 243721
PROCESSO Nº 17644 - VALIDADE: 21/02/2022
CAPACIDADE MÁXIMA: 1.000 PESSOAS